quinta-feira, 2 de maio de 2013

PLANO DE TRABALHO CENTRO-DIA



            I - APRESENTAÇÃO

          O Centro-dia de referência oferta serviço de Proteção Social Especial para pessoas com deficiência em situação de dependência e suas famílias, por meio das ações de acolhida, escuta, informação, orientação; cuidados pessoais básicos e instrumentais; apoio ao desenvolvimento do convívio familiar, grupal e social; identificação e fortalecimento de redes comunitárias de apoio; identificação e acesso a tecnologias assistivas no domicílio, inclusão social e autonomia da dupla cuidado-cuidador. O serviço tem como objetivos:
Garantir a oferta pública de cuidados pessoais às pessoas com deficiência em situação de dependência;
Dar suporte às famílias diminuindo estresse pelos cuidados prolongados, o alto custo da atenção e favorecendo a inserção produtiva das famílias;
Prevenir as situações de negligência, abandono, maus-tratos, abrigamento e ou isolamento social, assegurando o direito à convivência familiar e comunitária.
Fomentar conhecimentos e servir de referência na qualificação dos Serviços para Pessoas com Deficiência no SUAS e SUS.
            O serviço se destina ao público de Pessoas com deficiência em situação de dependência, prioritariamente jovens e adultos beneficiários do BPC e em situação de pobreza incluídas no CadÚnico.
            Partindo do principio de que deficiência nunca será o oposto de eficiência, e que ter uma deficiência não significa ser menos capaz do que qualquer outra pessoa, foi elaborada este projeto de trabalho destinado ao deficientes que serão atendidos no Centro-dia.

             II -  PROJETO DE TRABALHO

            O projeto esta dividido em áreas  de trabalhos: atividades de vida diária (AVD); atividades de vida prática (AVP); Atividade Pedagógica (AP); Atividade Física (AF); Atividade de Artes (AA).

            1 -As Atividades de Vida Diária (AVDs), como diz o nome são aquelas realizadas no dia-a-dia de cada usuário, como por exemplo: amarrar sapatos, vestir-se, escovar dentes, etc. Essas atividades requerem o desenvolvimento de certas habilidades, pois para que se aprenda a realizá-las é necessário que se desenvolva habilidades específicas para cada atividade como desenvolvimento da coordenação motora, por exemplo. Neste sentido, a aprendizagem que às vezes não ocorre com a exercitação, poderá acontecer na situação do brinquedo, pois o prazer da brincadeira produz a especialidade, quanto mais o educando se envolve nela, mais estará aberto a produzir novos conceitos. (FINGER, 1986). As Atividades de Vida Diária AVDs compreendem atividades fundamentais para a sobrevivência, como comer, manter-se limpo, participar de atividades sociais, realizar serviços domésticos etc. (FINGER, 1986).

2 -As Atividades de Vida Pratica (AVPs) são as tarefas de desempenho ocupacional que o indivíduo realiza diariamente. Não se resume somente aos auto – cuidados de vestir-se, alimentar-se, arrumar-se, tomar banho, e pentear-se, mas englobam também as habilidades de usar telefone, escrever, manipular livros, assim por diante, além da capacidade de virar-se na cama, sentar-se, mover-se e transferir-se de um lugar a outro. (TROMBLY, 1989). Nas Atividades de Vida Prática (AVPs) pode-se observar o cotidiano do educando especial, sua relação com o meio: familiar ou escolar, resumindo sua própria vida, equilíbrio e firmeza na conquista de seus movimentos. (TROMBLY, 1989). Trombly (1989) cita ainda que, as Atividades de Vida Prática (AVPs) de acordo
com o próprio termo, estes exercícios se destinam a preparar a pessoa com deficiência para a vida, possibilitando-lhe a independência e uma melhor organização interior.
     
             3 -  Atividade Pedagógica (AP)  consiste em oferecer estratégias de caráter operativo e socioeducativo, com o  objetivo de promover o uso social da leitura e da escrita e estimular  uma atitude de cidadania levando os usuários à reflexão, a experimentação e a capacitação da prática social através da discussão, debate, troca de experiências e leitura. Visa resgatar conhecimentos teórico-práticos adequando-se em nível de escolaridade individual. E deve servir de estímulo para o retomo a atividade escolar oficial.
            
             4 - A Atividade Física (AF)  cconsiste em construir possibilidades para desenvolver a mobilidade articular e agilidade, assim como auxiliar no processo de restabelecimento ou construção da corporeidade nos usuários. Além dos benefícios de relação do sujeito com o seu meio, oportuniza a manutenção e/ou recuperação do movimento normal de membros e articulações.
            
             5 - Atividade de Artes (AA) consiste em construir possibilidades para a realização de atividades praticas, proporcionando a produção e criação, desenvolvendo a criatividade dos participantes, procurando auxiliar no processo de auto-reconhecimento do participante, oferecendo a possibilidade de expressão de sentimentos de forma não-verbal. Visa trabalhar aspectos como lidar com diferentes materiais, organização, responsabilidade, dificuldades e  aprendizagem. Visa também oferecer subsídios aos usuários que se interessem no aprendizado da música em suas variadas formas,  objetivando à valorização e a dignidade do ser humano e procurando oportunizar espaço para expressão da arte e cultura e de participação em eventos junto à sociedade.
          

            III - ESTRATÉGIAS DE TRABALHO

Objetivo Geral: Proporcionar ao aprendiz atividades visando ampliar a noção de responsabilidade e de trabalho para sua própria independência, realização pessoal e relacionamento social (pessoal / aceitação) através de atividades em conjunto.

ÁREAS  DE TRABALHO
ATIVIDADES
1
AVD
Comunicação, vestuário (estimular feminilidade), locomoção, higiene (estimular feminilidade), alimentação.
2
AVP
Atividade de limpeza, preparação de refeições, servir refeições, lavanderia, costura e compras.
3
AP
Boas maneiras, educação sexual, atividades domésticas (oficina de culinária,  atividade de leitura e escrita.
4
AF
Lazer/passeios, alongamento, caminhadas, esporte e atividade aquática.
5
AA
Trabalhos manuais, pintura/desenho e música (Canto coral e precursão).

01 - ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA – AVD

Objetivo Específico: Trabalhar visando atividades dentro da área de AVD (Atividades de Vida Diária)

ATIVIDADES

ESTRATÉGIAS
COMUNICAÇÃO
- Estimular o uso da fala;
- Aprimorar o uso de gestos e sinais;
- Atender a porta / campainha;
- Receber e executar instruções / recados.

VESTUÁRIO
- Vestir e despir roupa;
- Abotoar e desabotoar;
- Abrir e fechar zíper e fivelas;
- Amarrar e desamarrar (dar nó e laço);
- Manter-se com roupas limpas;
- Calçar sapatos, meias.

LOCOMOÇÃO
- Deslocar-se de forma adequada;
- Corrigir erros de postura.

HIGIENE
- Tomar banho;
- Pentear o cabelo;
- Cortar e lixar as unhas;
- Lavar as mãos antes das refeições;
- Fazer depilação;
- Usar lenço adequadamente;
- Usar absorvente higiênico;
- Usar o banheiro corretamente;
- Escovar os dentes;
- Manter uma boa aparência;
- Desenvolver a feminilidade com o uso de batom, esmalte, perfume, creme, etc.

ALIMENTAÇÃO
- Utilizar os talheres;
- Utilizar copo / xícara;
- Orientar boas maneiras na mesa;
- Alimentar-se adequadamente;
- Cortar carne, pão, legumes;
- Guardar corretamente os alimentos;
- Cozinhar.



02 - ATIVIDADES DE VIDA PRÁTICA – AVP

Objetivo Específico: Trabalhar visando atividades dentro da área de AVP (Atividades de Vida Prática).

ATIVIDADES

ESTRATÉGIAS
LIMPEZA
- Transportar material de limpeza;
- Pegar objetos do chão;
- Limpar as coisas derramadas no chão;
- Usar a vassoura para varrer;
- Usar a pá de lixo;
- Arrumar a cama;
- Tirar o pó dos móveis;
- Usar pano com água / torcer;
- Limpar mesas, cadeiras e erguê-las;
- Passar pano no chão com rodinho;
- Lavar panos no tanque usando água e sabão;
- Limpar, lavar banheiro;
- Limpar os vidros;
- Limpar, descongelar geladeira;
- Lavar calçadas, etc.

PREPARAÇÃO DE REFEIÇÕES
- Abrir torneiras;
- Acender fósforo e forno ou queimador a gás;
- Despejar líquidos quentes;
- Servir comida quente;
- Abrir embalagens de comida;
- Abrir latas e garrafas;
- Abris leite em saquinhos ou caixinhas;
- Carregar comida ou panelas quentes;
- Tirar comida da geladeira;
- Tirar utensílios dos armários;
- Descascar legumes, frutas, etc.;
- Usar facas com segurança;
- Usar talheres de medida ou medidor;
- Usar batedeira;
- Untar formas;
- Abrir o forno com segurança;
- Usar luvas para forno;
- Colocar travessa no forno;
- Usar liquidificador;
- Quebrar ovos;
- Bater massa;
- Despejar massa;
- Bater carne;
- Planejar o cardápio da semana.

SERVIR REFEIÇÕES
- Arrumar a mesa / toalha / talheres / pratos / copos / guardanapos / etc.;
- Levar a comida para a mesa;
- Servir a comida na mesa;
- Colocar e retirar a toalha;
- Dobrar guardanapos e toalha;
- Retirar a sobra de comida dos pratos;
- Limpar mesa e cadeiras;
- Varrer o chão;
- Lavar louça;
- Secar louça;
- Guardar corretamente a louça nos armários;
- Lavar a pia;
- Limpar o fogão;

LAVANDERIA
- Selecionar as roupas;
- Usar varal;
- Usar pregadores e cesto;
- Prender no varal;
- Preparar a mesa ou tabua de passar roupa;
- Passar roupas simples;
- Passar camisetas ou vestido;
- Dobrar roupas passadas;
- Guardar corretamente as roupas passadas.
 - Lavar roupas.
COSTURA
- Enfiar linha na agulha;
- Dar nó, laço;
- Usar a tesoura;
- Cortar a linha;
- Fazer alinhavo;
- Pregar botões;
- Remendar;
- Usar a máquina de costura.

COMPRAS
Efetuar pequenas compras (feiras, supermercado, padaria, mercearia);


3 – ATIVIDADES PEDAGÓGICAS

Objetivo Específico: Proporcionar ao aluno atividade de maior utilidade ampliando noção de responsabilidade e de trabalho para sua própria realização pessoal.

ATIVIDADES
ESTRATÉGIAS
LEITURA E ESCRITA
Leitura e discussão de textos;
Estudo de textos, reflexões e produções escritas;
Vivência de canções, jograis e dramatizações relacionadas ao tema;
Confecção de cartões;
Confeccionar cartazes;
Promover debates sobre o tema;
Produzir texto coletivo;
Produzir quadrinhos, poesias, canções, bilhetes e cartas;
Montar murais com as  produções dos educandos;
Produção de paródias;
Ensaios das apresentações de Teatro e recital de poesias;
Desenhos, jogos cooperativos, brincadeiras envolvendo  
questões relativas ao tema;
Passeios Culturais e recreativos;
Apresentações culturais.
EDUCAÇÃO SEXUAL
Pesquisa sobre a temática em estudo;
Leitura e discussão de textos;
Promover debates sobre o tema;
Estudo de textos, reflexões e produções escritas;
Palestras com profissionais da área da saúde.
BOAS MANEIRAS
Confeccionar cartazes;
Promover debates sobre o tema;
Brincadeiras envolvendo   questões relativas ao tema;
Leitura e discussão de textos;
Estudo de textos, reflexões e produções escritas;
Vivência de canções, jograis e dramatizações relacionadas
ao tema;
ATIVIDADES DOMÉSTICAS

. Oficina de culinária

. Conhecimento e utilização do material de trabalho ou de limpeza;
. Ser responsável com os materiais, utilizando-se em quantidades e finalidades adequadas;
. Limpeza da oficina de culinária, banheiros, sala de aula, parquinho, assim por diante;
. Reconhecer e utilizar adequadamente eletros domésticos que existem na oficina de culinária e no ambiente;
. Classificação de alimentos e utensílios (arroz, feijão, verdura, carne);
. Preparar e elaborar receitas simples (doces, pães, bolos, salgados);
. Preparar e servir alimentos simples: (lavar, cortar, temperar, fritar, assar, cozinhar, e demais atividades da cozinha);
. Arroz doce e salgado;
. Feijão cozido;
. Macarrão;
. Bolinho doce e salgado;
. Ovo frito, cozido e omelete;
. Vitamina, salada de frutas, verduras e legumes;
. Pão com manteiga, pão torrado, pão no ovo batido;
. Batata doce (cozida, frita, assada);
. Maionese;
. Sopa de legumes e fubá;
. Carnes variadas;
. Chás (erva-mate, cidreira, hortelã e outras ervas medicinais);
. Café, chocolate, leite, sucos naturais;
. Manjar de leite, etc.;
. Sagu, canjica, gelatina, e demais geléias;
. Sorvete de leite, frutas;
. Amendoins salgados, doces e achocolatado, etc.
. Pipoca doce e salgada;
. Mandioca frita e cozida;
. Polenta;
. Por e tirar a mesa – a toalha, os guardanapos, os pratos, os talheres, adornos;
Reconhecer e identificar os cômodos de uma casa;
. Limpeza e conservação dos cômodos de uma casa;
. Limpeza e conservação dos utensílios domésticos;
. Cuidados e conservação de roupas e calçados;
. Arrumar a cama;
Horticultura
Jardinagem
. Preparação do solo e suas condições;
. Época adequada do plantio;
. Uso adequado de ferramentas;
. Semeadura e plantio;
. Conservação de canteiros;
. Colheita;
. Conservação dos produtos colhidos;
. Comercialização;
. Necessidades da planta (adubo, água, poda, replanta);
. Ferramentas adequadas;
. Conservação de jardins e vasos;
. Seleção de sementes e mudas;
. Flores e folhagens para adornos da escola, sala de aula e presentes;
. Técnicas de plantio, poda;
. Reprodução de viveiros;
. Manutenção.



4 – ATIVIDADE FÍSICA

Objetivo Específico: Trabalhar visando atividades dentro da área da atividade física.

ATIVIDADES
ESTRATÉGIAS
ALONGAMENTO

Os exercícios consistem em alongamentos de MMSS, MMII, paravertebrais e fortalecimento abdominal.
CAMINHADAS

Caminhadas de pequenos circuito utilizados materiais, como rampa, bancos, caixa de areia, bambole, e fora da sala de referência.
ESPORTE

trabalhar modalidade esportiva, de escolha do grupo, proporcionar conhecimento à cerca do esporte;
discutir sobre regras, personalidades, acessibilidades, locais, materiais e demais aspectos pertinentes.
Propor  a prática e/ou visitas.
ATIVIDADES AQUÁTICA
Natação, Hidroterapia
LAZER/PASSEIOS
Lazer/passeios em sorveteria, feira, exposições, piquenique, zoológico.


5- ATIVIDADES DE ARTES

Objetivo Específico: Trabalhar visando atividades dentro da área de Artes.
ATIVIDADES
ESTRATÉGIAS
TRABALHOS MANUAIS


. Conhecimento e utilização do material.
. Preparação e classificação do material
. Pintura em telas
. Bordado em tecido, sacos, toalhas, etc.
.Tecer e trançar
. Noções básicas de costura: riscar, cortar, alinhavar, pregar botões, colchetes, costurar.
. Confecções de tapetes.
. Acondicionamento.
. Tapetes;
- Pinturas (caixas, tecido, telas, etc.);
- Guardanapos;
- Alinhavos;
- Vasos decorados;
- Porta guardanapos;
- Crochê;
- Bordado ponto cruz;
- Cachepôs de madeira, etc.
. Cestos (jornal/reciclado)
. Biscuit (lembrancinhas, vidros, etc.)
Confecção de objetos diversos com sucata
DESENHO E PINTURA
Confecção de material para ornamentar o espaço dos Eventos (Murais)
Confecção de cartões;
Confeccionar cartazes;
Quadro (tela)



MÚSICA
Canto coral;
pecursão;


IV - PROJETOS DO CENTRO-DIA

a) Projeto para os usuários


  •  
  • PROJETO CORAL SORRISO - é um projeto que visa oferecer subsídios aos usuários que se interessem em participar do coral, para dar os primeiros passos ao aprendizado da técnica do canto. Tem como objetivo socializar os participantes, promover a atenção, concentração, desenvolver o trabalho em equipe, a disciplina, o desenvolvimento da linguagem e da fala, bem como, à valorização e a dignidade do ser humano, procurando oportunizar espaço para expressão da arte e cultura.
  • PROJETO CONFECÇÃO DE BIJU  - tem como maior objetivo o desenvolvimento da criatividade, a elevação da autoestima, além do lazer sadio e capacitar o usuário para a convivência e o trabalho em grupo e tudo isso de forma divertida e prazerosa.
  • PROJETO MESTRES CUCA  trata-se um projeto de culinária,  que propõe ampliar o trabalho já realizado pelo Centro-Dia em relação à nutrição dos usuários,  que pretende  ensinar cardápios simples para a  alimentação do usuários participantes, e tem como objetivos desenvolver  nos usuários a autonomia, segurança e liberdade de escolha dos alimentos, a organização no preparo e conceito de higiene.   
  • 4- PROJETO CENTRO-DIA DA ARTE é um projeto de inclusão social através da arte, que é um valioso agente de integração social, por meio dela, as pessoas com deficiência conseguem expressar seus sentimentos, exteriorizar suas emoções, além de por em prática a sua criatividade. Esse projeto tem  como objetivo promover estímulo à criatividade e auxiliar na parte motora das pessoas com deficiência atendidas pelo serviço.

  • 5 - PROJETO: HORTA EM VASO  - Consiste em cultivar uma horta em vasos com terra, na tentativa de melhorar a qualidade de atendimento e de diversificar as técnicas utilizadas, visando auxilia no desenvolvimento social, na maior independência e autonomia dos usuários.  O trabalho com o cultivo de uma horta  pode proporcionar  aprendizagens de  muitas coisas, como os valores da emocionalidade com a Terra: a vida, a morte, a sobrevivência, os valores da paciência, da perseverança, da criatividade, da adaptação, da transformação, da renovação, além de  influencia na saúde física e mental das pessoas, na capacidade de fantasiar,  no desenvolvimento da coordenação motora e na capacidade de concentração. 



    6- PROJETO: JOGOS PEDAGÓGICOS - Consiste na utilização de jogos com pequenos grupos de usuários, visando oportunizar aos  mesmos comparar, associar, diferenciar e refletir gradativamente os aspectos de seu desenvolvimento cognitivo, afetivo, social, motor e cultural. Nos jogos, interagindo entre si, o usuário  passa a se conhecer melhor e assumir novos papéis na sua relação com o mundo.

    b) Projeto para as Famílias


  • PROJETO CONHEÇA SEUS DIREITOS - consiste em reuniões e palestras para as famílias atendidas no Centro-dia e em outras instituições, sobre as políticas publicas e os direitos das pessoas com deficiência. Sabemos que existem muitos  problemas, mais muitos deles já possuem soluções garantidas por lei, porém grande parte das pessoas com deficiência ou seus familiares desconhecem este fato. 
  • PROJETO DE TRABALHO COM AS FAMÍLIAS  Organizado em duas base, uma de exercício da cidadania, cujo o objetivo é estimular e promover uma atitude de cidadania levando os participantes à reflexão, a experimentação e a capacitação da prática social através da discussão, debate, troca de experiências, e outra  de exercício prático que se desenvolverá em torno da produção artesanal de brinquedos, utensílios e objetos decorativos feitos com material reciclado.

  • c)Projeto para os funcionários
  •   
  • PROJETO DE FORMAÇÃO CONTINUADA - Tem como objetivo promover a capacitação da equipe profissional do Centro-dia fundada nos princípios da educação permanente e da interdisciplinaridade, com a finalidade de produzir e difundir conhecimentos direcionados ao desenvolvimento de habilidades e capacidades técnicas em suas funções,  visando o aprimoramento e a qualificação do serviço prestado aos usuários e suas famílias.

  • V - OFICINAS DO CENTRO-DIA

    1- OFICINAS PEDAGÓGICAS: será desenvolvida pelos pedagogos, com o apoio dos técnicos cuidadores, visando resgatar conhecimentos teórico-práticos adequando-se em nível de escolaridade individual. E deve servir de estímulo para o retomo a atividade escolar oficial.
    a) Oficina de Acolhida: Ocorrem todas as segundas-feiras. Através de roda de conversa, o grupo aborda a rotina da semana,  escolhendo e definindo as atividades e os trabalhos para a semana, com a participação dos usuários, opinando e sugerindo, e tem como objetivo acolher e estimular a participação crítica do usuário.
    b) Oficina de Exercício da Cidadania e Leitura de Notícias de Jornais: consiste numa oficina de caráter operativo e socioeducativo, o objetivo é estimular e promover uma atitude de cidadania levando os usuários à reflexão, a experimentação e a capacitação da prática social através da discussão, debate, troca de experiências e leitura de notícias de jornais de temas relativos a questão sociais, políticas e de livre escolha dos usuários.
    c) Oficina de produção do Jornal: É elaborado pelos usuários com matérias que descrevem suas atividades, passeios, notícias do mundo, eventos. Além disso, mantém o contato e a crítica das atualidades e coloca em circulação as próprias produções. Que deverá ser impresso com a periodicidade mensal.
    d) Oficina de Culinária: Tem como objetivo ensinar cardápios simples para a própria alimentação. Desta forma os usuários  adquirem autonomia, segurança e liberdade de escolha nos alimentos; organização no preparo e conceito de higiene.
    e) Oficina Assembleia: reunião realizada mensalmente, com usuários e equipe, que tem como objetivo discutir assuntos pertinentes ao funcionamento do grupo, estimulando um indivíduo crítico, com opinião.


    2- OFICINAS DE TERAPIA OCUPACIONAL: será desenvolvida pela Terapeuta Ocupacional com apoio dos técnicos cuidadores, visando promover a manutenção dos usuários no melhor nível e máximas condições de autonomia possível, para cada caso, visando a reintegração no seu grupo social.
    a) Oficina de Capacitação  de Cuidados Pessoais: Serão abordados assuntos como: higiene pessoal, vestuário entre outros. Esta oficina tem como objetivo o treinamento para atividades de auto-cuidado de forma mais abrangente possível aos usuários.
    b)Oficina de Vida Diária: os usuários serão treinados para compras, transportes públicos, pagar e receber dinheiro, falar ao telefone, utilizar computador, marcar consultas, etc. através da participação em diversas atividades práticas.
    c) Oficina de Grupo Operativo: é um grupo de usuários que se responsabilizam por realizar tarefas diárias de organização (cozinha, banheiro, camas, sala) têm como objetivos aprendizagem de AVDs ,organização, resgate da auto-estima, valorização e interação social.


    3 – OFICINAS DE PSICOLOGIA: será desenvolvida pela psicóloga com apoio dos técnicos cuidadores, visando promover aspectos mais integrados da personalidade; promover contato interpessoal a fim de favorecer suporte e socialização; desenvolver teste de realidade, através da discussão dos sintomas e compreensão da doença,  permitir a expressão de emoções com vista a reduzir ansiedade.
    a)Oficina  de Treinamento Cognitivo-Comportamental : Esta atividade consiste de um treinamento para melhora de funções cognitivas através de exercícios práticos além de informações sobre aspectos diagnósticos, terapêuticos e prognósticos sobre a doença.
    b) Oficina Psicodinâmica: As dinâmicas de grupo são utilizadas para favorecer a integração dos colegas. Além disso, são utilizadas técnicas que favorecem a integração dos participantes por meio de experiências pessoais que são compartilhadas e que ganham significado por meio do que é falado e compreendido pelo grupo.
    c) Oficina de psicodrama: esta oficina tem como objetivo possibilitar, através da dramatização, a vivência de uma determinada situação trazida pelo grupo. Ao final da representação são convocados a compartilhar seus sentimentos e impressões com os demais e após é feita reflexão no grande grupo.

    4 – OFICINAS DE ARTES:  atividade que será desenvolvida pela instrutora de Artes com apoio dos técnicos cuidadores, visando construir possibilidades para a realização de atividades praticas, proporcionando a produção e criação, desenvolvendo a criatividade dos participantes.
    a) Oficina de Pintura e Desenho: esta é uma atividade de expressão artística que procura auxiliar no processo de auto-reconhecimento do participante, oferecendo a possibilidade de expressão de sentimentos de forma não-verbal.
    b) Oficina do Fazer:  se desenvolverá em torno da produção artesanal de brinquedos, utensílios e objetos decorativos feitos com material reciclado. Visa trabalhar aspectos como lidar com diferentes materiais, organização, responsabilidade, dificuldades e  aprendizagem.
    c) Oficina Reciclando Papéis: esta oficina procurará trabalhar a inclusão social e desenvolver a autonomia dos usuários potencializando seus interesses pelo processo de fabricação de papel reciclado artesanal. A intenção é oferecer a possibilidade de aprender  e auxiliar na manutenção de seu bem estar.
    d) Oficina de Arteterapia: cuja metodologia é baseada na análise evolutiva do desenvolvimento, através do método clínico, dentro da visão construtivista. A arte criativa como forma de terapia vem sendo utilizadas com êxito no mundo inteiro. Através da manipulação de símbolos externos e objetos, materiais diversos, como elementos facilitadores de expressão, comunicação, de relação, e a transformação dos mesmos em algo novo, singular, concebe-se o processo criador – fonte inesgotável de promoção de desenvolvimento e de confiabilidade no potencial do ser humano. Estimulando a capacidade criativa, a expressão individual; a exploração livre de materiais; auto-estima; autoconfiança; a integração social; utilizando como estratégia de atendimento atividades compatíveis ao nível de desenvolvimento de cada ser humano; esta atividade tem como objetivo prevenir e ou minimizar afecções afetivas em seus diversos níveis, favorecendo seu desenvolvimento harmônico, bem como o resgate de suas reais possibilidades e potencialidades.

    5- OFICINAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA:  atividade que será desenvolvida pelo instrutor de Educação Física com apoio dos técnicos cuidadores, visando construir possibilidades para desenvolver a mobilidade articular e agilidade, assim como auxiliar no processo de restabelecimento ou construção da corporeidade nos usuários.
    a)Oficina de Alongamento: é realizado sempre  nas primeiras atividades do dia. Além dos benefícios de relação do sujeito com o seu meio, oportuniza a manutenção e/ou recuperação do movimento normal de membros e articulações.
    b) Oficina  de caminhadas: pequenas caminhadas realizadas com os usuários em horários de sol ameno, que busca estimular a participação dos usuários em atividade física.
    c)Oficina de Esporte Cidadão: É trabalhado sobre uma modalidade esportiva, de escolha do grupo, proporcionando conhecimento à cerca dos esportes. São discutidas sobre regras, personalidades, acessibilidades, locais, materiais e demais aspectos pertinentes. Além disso, é realizada a prática de esporte.
    d) Oficina Aquática: É um trabalho que satisfaz as necessidades do deficiente, especialmente a necessidade de “ação”, por isso ele deve ser vista como fator de desenvolvimento, tanto fisiológico, psicossocial e cognitivo a qual pode desvincular-se das situações reais e levá-la a agir independentemente do que se vê. Recomenda-se o trabalho de estimulação aquática para o deficiente através da Educação Física Adaptada, pois a estimulação aquática é um trabalho desenvolvido de uma forma menos rotineira, mecânica, restritiva e reforçadora da deficiência.


    6 – OFICINA DE MÚSICA: atividade que será desenvolvida pelo instrutor de Música com apoio dos técnicos cuidadores, visando oferecer subsídios aos usuários que se interessem no aprendizado da música em suas variadas formas, Visa também à valorização e a dignidade do ser humano e procura oportunizar espaço para expressão da arte e cultura e de participação em eventos junto à sociedade.
    a)Oficina de Canto Coral: esta é uma atividade de expressão artística que desenvolve no assistido o interesse pelo canto, estimulando sua audição e ritmo, de modo que consiga soltar a voz com firmeza e afinação, tem  o objetivo de socializar o indivíduo, promover a atenção, concentração, o trabalho em equipe, disciplina e desenvolvimento da linguagem e fala.
    b) Oficina de Percussão: vai bordar ritmos como galope, afoxé, frevo, xote, maculelê e samba rock. O visa apresentar a diversidade cultural e musical brasileira de forma lúdica, com dinâmicas e brincadeiras interativas.

    7 – OFICINA DE DANÇA: atividade que será desenvolvida pelo instrutor de dança com apoio dos técnicos cuidadores, visando realizar ensaios e apresentação de dança, com o objetivo de promove a expressão artística e a interação entre pessoas com deficiência.

    8 OFICINA DE LIBRAS tem como objetivo auxiliar os participantes (usuários e suas famílias) através do aprendizado  da LIBRAS e a interação surdo/ouvinte a vencer o preconceito ancorado na desinformação e, principalmente desencorajar o medo de relacionar-se com o surdo, dando-lhe bagagem para a comunicação em LIBRAS.
    Através do contato com os principais fundamentos da língua (LIBRAS) é possível desenvolver autonomia na comunicação com o surdo e  quebrar barreiras de preconceitos em relação ao relacionamento com as pessoas com deficiências.
    Esperamos despertar no participante envolvido a capacidade de compreender a necessidade de inclusão, dando-lhe bagagem para entender o processo de inclusão não apenas para ele, mas também para ensinar a outros.


    09- OFICINAS COM OS FAMILIARES: atividade que será desenvolvida por toda Equipe Multidisciplinar. Tem como objetivos integrar a família ao trabalho do Centro-dia, informar e esclarecer sobre as dificuldades e avanços, buscar a facilitação da convivência com o usuário e suas limitações: estimular a troca de experiências entre famílias que compartilham um problema comum, estimular a autonomia na busca de recursos e soluções junto à comunidade.


    V - AVALIAÇÃO

                O ambiente  deverá transmitir segurança e dar ideia de ordem física, geradora de uma ordem mental. Tudo no ambiente deve ser estudado, controlado, experimentado, para que o usuário adquira uma movimentação coerente, espelho de seu interior, desenvolvendo seu próprio instinto de vida e suas potencialidades.
    - Outras atividades poderão ser desenvolvidos de acordo com as realidades e necessidades do aluno e da escola;
    - Para todas as atividades obedecer a graduações de dificuldades preparando o usúario para desenvolvê-la independentemente, procurando nelas sua própria auto-realização;
    - Avaliação será através de observações do desempenho do aluno na atividade dada;
    - Planejamentos mensais, avaliações diárias e semestrais.


    REFERÊNCIAS

    BRASIL. Conselho Nacional de Assistência Social. Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social. Resolução nº 130, de 15 de julho de 2005. Brasília, 2005.

    BRASIL. Conselho Nacional de Assistência Social. Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do Sistema Único de Assistência Social. Resolução nº 269, de 13 de dezembro de 2006. Brasília, 2006.

    BRASIL. Conselho Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social. Resolução nº 145, de 15 de outubro de 2004. Brasília, 2005.

    BRASIL. Conselho Nacional de Assistência Social. Resolução nº 17, de 20 de junho de  2011. Brasília, 2011.

    BRASIL. Conselho Nacional de Assistência Social. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Resolução nº 109, de 11 de novembro de 2009. Brasília, 2009.

    BRASIL. Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS). Brasília, 1993.

    BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Politica Nacional de Capacitação do SUAS.  Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Assistência Social, 2011.

    FINGER, J. A.Terapia ocupacional.São Paulo: Sarvier, 1986.

    TROMBLY, C. A.Terapia ocupacional para disfunção física. 2ed.São Paulo: Santos, 1989, 514 p.










    Nenhum comentário:

    Postar um comentário